Chafariz dos Canos

Transcreve-se um documento inédito, de 1744, que se encontra na posse de Manuel Rosa da Silva, proprietário do antigo solar setecentista situado na Rua Cândido dos Reis, em Torres Vedras, defronte do Chafariz dos Canos, que justifica o facto de o proprietário do imóvel ter sido possuidor, durante séculos, do direito de recolher na sua propriedade as águas sobrantes do dito chafariz. O encanamento destas águas, descoberto durante os trabalhos arqueológicos realizados na zona da antiga Porta da Corredoura, foi cessado no último quartel do século XX.

Para uma leitura mais fácil do documento, poderá optar pela versão ortograficamente actualizada, disponível aqui.

“Licença para o D[e]z[embargad]or Ant[óni]o Pedro Machado poder cobrir a agoa do subejo do Xaferis dos Cannos e emcanalla para o seu quintal obrigandoce do concerto e limpeza da dita agoa, em 6 de Janeiro de 1744.

O Juiz Prezidente, Vereadores, Procurador do concelho do Sennado da Câmara desta vila de Torres Vedras e seu termo cabeça de sua comarca por Sua Majestade que Deos guarde. A todos os Corregedores, Provedores, Ouvidores, Julgadores, Juízes, justiças officiais e mais pessoas a honde e perante quem e a cada hum dos quaes esta nossa carta de licença em forma for apresentada e o conhecimento dela com direito e direitamente deva e haja de pertencer e o seu devido effeito inteiro e real cumprimento e execussam della e com ella da nossa parte se lhes pedir e requerer por qualquer modo maneira ou razam que seja a todos em geral e a cada hum em particular em suas jurisdições a quem fazemos saber em como nesta villa de Torres Vedras no Sennado da Câmara della nos iniciou a dizer por sua petissam o desembargador António Pedro Machado que elle se achava de posse de tempo immemorial de recolher o sobejo da agoa dos cannos desta villa em tanques das suas cazas fronteiras a elles e porque a ditta agoa atravesava a rua publica de continuo por laje de carroages e por correr descuberta se faziam muntos lameiros e impossibilitava de gente de pe muito principalmente aos que caminhavam para a rua da Corredoira e aos moradores della ahonde a agoa dezencaminhada por cauza das carroages os fazia grandes em aquella rua o que hera perjudicial a saúde dos mesmos moradores como he notório e o fazia o suplicante serto por certidões de médicos, sendo necessário, e nam menos hera também perjudicial a referida agoa as pocessoes desta villa por todas se extenderem ao mesmo sitio e só por esta razam, havia annos que este Sennado pertendeo obrigar ao suplicante a recebella cuberta o que agora queria executar a sua custa ficando a rua inxuta com utilidade comum e do mesmo suplicante que o nam podia fazer sem nossa licença nos pedir por fim de sua petissam lha comcedecemos para o referido visto o que alegava e visto por nos seu requerimento, atendendo a elle e a ser visto direito e comforme, informado do Procurador do concelho e misteres a quem se porpos este requerimento e nam tiveram duvida, mandamos por nosso despacho que se lhe dece e pasace licença para o suplicante cobrir a dita agoa ficando porem obrigado ao comcerto e limpeza do dito canno, e por bem do qual despacho se lhe deu e passou athe a prezente, pella qual damos licensa ao dito dezembargador para que possa cobrir e emcanar a agoa do subejo dos cannos desta villa, ficando porem obrigado ao comcerto e limpeza do ditto canno, e mandamos a todos os oficiaes de justiça desta villa e seu termo e as mais justiças no principio desta escritas e declaradas pedimos e requeremos da parte de Sua Majestade que Deos guarde que sendolhes apresentada esta nossa carta de licença o cumpram e accordem como nella se conthem e cumprimento deixem livremente ao suplicante emcanar e cobrir a agoa de que faz mensam para dentro para o seu quintal por quanto por nos assim he mandado. Dada nesta villa de Torres Vedras sob nossos signaes e selo do concelho que he o que ante nos serve, aos dezoito dias do mês de Janeiro de mil e setecentos e corenta e quatro. Joam Ambrósio Barretto de Pina que o escrevi.

João Ant.º Peixoto de Figueiredo
Deonisio José Barreto
Jacinto Correa de Mesquita.
Ao sello – Paga 6 reis.
Torres Vedras 30 de Janeiro de 1744
João de Figueiroa Rêgo”.

© Isabel de Luna / 2009
Esta entrada foi publicada em . com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a Chafariz dos Canos

  1. Extremamente interessante, este documento. Pelas informações e alguns pormenores que nos permitem visualizar a Corredoura…
    Obrigado!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s